Níveis da cultura organizacional: o que é e quais são eles?

Por Douglas da Silva, Senior Specialist, Digital Marketing, LATAM

Publicado 18 março 2022
Última atualização em 18 março 2022

Os elementos de uma cultura corporativa variam entre as empresas, e identificar os níveis da cultura organizacional de um negócio para mantê-lo forte é inestimável, e isso vai desde o estabelecimento de uma identidade de marca até a união de colegas de trabalho e o aumento do engajamento dos funcionários.

Além da importância para os membros da equipe, a cultura organizacional reflete também nas relações externas, ou seja, o relacionamento com os clientes é afetado, e o resultado disso são profissionais mais engajados e produtivos.

Nesse sentido, o relatório de tendências de Customer Experience 2021 da Zendesk, enfatiza a importância de se investir em uma boa relação com o consumidor final, apontando o percentual de 50% de pessoas que desistem de comprar após uma experiência ruim

Empresas com baixos níveis da cultura organizacional possuem dificuldade de elevar a entrega de seus serviços a um novo patamar, diminuindo cada vez mais a qualidade de vida de seus funcionários e, consequentemente, os serviços aos clientes.

Para atingir essa expectativa e garantir a ascensão da empresa é necessário entender quais os tipos de cultura organizacional existentes, e compreender os três níveis da cultura organizacional, por isso, confira algumas dicas que te ajudarão a atingir uma filosofia empresarial forte e saudável. Boa leitura!

Mas, o que é cultura organizacional?

Quando falamos sobre cultura organizacional, estamos nos referindo aos valores, convicções e práticas que conduzem uma organização. De maneira resumida, é um conjunto de características que tornam a empresa o que ela é.

Esses atributos devem ressoar com os funcionários e fazê-los sentir que seu trabalho é importante e se encaixa em um propósito maior, pois reflete no modo como as pessoas se comportam dentro do ambiente de trabalho.

Isso varia desde as crenças compartilhadas de uma organização até a maneira como os colaboradores interagem uns com os outros. Cada empresa desenvolve uma marca e mantém seus níveis de cultura organizacional únicos. 

Além disso, ao construir uma identidade empresarial interna forte, os impactos se tornam cada vez mais visíveis quando relacionados a engajamento, produtividade e desempenho dos profissionais.

Como identificar o tipo de cultura organizacional da sua empresa?

Os comportamentos e políticas de uma companhia podem evoluir com o passar do tempo, - principalmente à medida que a equipe cresce e recebe novas contratações – com isso é possível tomar medidas para adaptar sua cultura para melhor se adequar aos valores éticos e missão da corporação. 

Mas, primeiro, é preciso entender quais os tipos de cultura organizacional existentes, para só então escolher  aquele que melhor se enquadra com a situação atual do seu negócio. São quatro:

  1. Cultura de poder

Muito comum entre pequenas empresas pelo aspecto do poder centralizado. A cultura de poder possui liderança única — o próprio dono ou um gerente — e enfoque em resultados, ao passo que a competitividade é vista como comum entre os membros da equipe, gerando uma normalização do aspecto egoísta e a ausência do coletivo.

A autoridade maior tende a ser cativante, porém impulsiva, o desenvolvimento interno e externo é relativamente baixo devido à falta de incentivo em ações inovadoras.

  1. Cultura de papéis

Com fluxos de trabalho e processos bem estruturados que devem ser seguidas, a cultura de papéis tem enfoque no desempenho de cada colaborador, estes, por sua vez, se ajustam em suas tarefas e se acomodam aos seus cargos, por conta da baixa probabilidade de crescimento.

Nesse modelo as ideias são engessadas e sem perspectiva de mudanças, e assim como visto na cultura de poder, a falta de flexibilidade acaba não incentivando pensamentos inovadores, de modo que ocasiona lentidão nos processos cotidianos da empresa.

  1. Cultura de tarefas

Um ambiente flexível e com grande destaque para o uso da criatividade. O sistema da cultura organizacional de tarefas é focado na resolução de problemas, e cada profissional tende a ser especialista e designado para determinadas atividades, a fim de agregar conhecimento.

Nesse cenário o enfoque principal são os resultados, que surgem com facilidade a partir da motivação gerada pela liberdade que cada funcionário possui para lidar com diferentes tipos de situação.

  1. Cultura de pessoas

Como o próprio nome já sugere, o foco são os colaboradores, vistos como peça-chave da organização. A cultura de pessoas é identificada em startups e novas empresas pela baixa hierarquização e o frequente autogerenciamento.

A integração entre equipes; gestores que buscam formar líderes a partir da retenção de talentos; plano de carreira e crescimento profissional, são os valores principais encontrados nesse tipo de ambiente.

Conhecendo o Modelo de Schein: Cultura Organizacional

O professor e estudioso Edgar Henry Schein foi reconhecido por ser um dos principais precursores da temática níveis da cultura organizacional. Atuando como educador na Sloan School of Management do MIT, ele realizou suas mais significativas contribuições.

O modelo de Schein surgiu como uma teoria que se tornou uma grande influência para os comportamentos empresariais adotados no ambiente corporativo, e se baseia na concepção de que: uma organização possui três níveis da cultura organizacional que se diferenciam entre si. Vamos explicar cada um deles para você entender melhor a importância.

Nível 1: Artefatos

E o que são artefatos na cultura organizacional? Resumidamente, é tudo aquilo que conseguimos observar.

Dentre os níveis da cultura organizacional é o mais perceptível pelos profissionais da organização, são representados por meio  de símbolos, vestimentas e linguagem, ou seja, são manifestações físicas, comportamentais e verbais que indicam como é a cultura da organização.

Nível 2: Normas e valores

Dos três níveis da cultura organizacional, o segundo inclui o que a organização diz sobre si mesma - ideais, objetivos, aspirações, ideologias e racionalizações.

Aqui adentram os valores e regras de conduta que são adotados inicialmente pela empresa, tais valores são compartilhados entre as equipes, e ao longo do tempo são repassados por cada líder que entra na organização.

Nível 3: Pressupostos

O último nível da cultura organizacional possui grande dificuldade de ser alterado por estar enraizado na corporação.

Nessa camada se encontram as suposições, sentimentos e crenças ocultos. As formas compreendidas, tradicionais e não oficiais presentes no ambiente. Um exemplo disso são as ações cotidianas adotadas ao adentrar no ambiente de trabalho, aprendidas por meio da convivência, sem ao menos serem ensinadas.

Ao descrever os níveis da cultura organizacional, o próprio estudioso destacou que esse terceiro ponto pode interferir diretamente no modo como o funcionário pensa e age diante de diferentes situações no trabalho.

4 dicas para construir uma cultura organizacional forte e saudável

Ao obter conhecimento dos níveis da cultura organizacional, chegou o momento de realinhar seus fundamentos às mudanças no mercado e construir uma cultura empresarial de alto desempenho. Afinal, todo negócio que dispõe de um ambiente de trabalho saudável para os seus colaboradores, torna-se cada vez mais bem-sucedido.

Criar uma grande cultura organizacional requer desenvolver e executar um plano com objetivos claros, que possam ser mensurados. 

As 4 dicas abaixo devem servir como um roteiro para a construção de uma cultura de continuidade que proporcionará benefícios de longo prazo em sua empresa. Confira!

1. Compreenda seu estilo de liderança

A boa liderança é uma habilidade do topo da pirâmide que complementa a essência da visão da sua empresa. As funções de liderança dentro das equipes afetam diretamente o senso de pertencimento e a motivação das pessoas.

Embora seja um processo de aprendizagem, as habilidades de liderança podem ser aprimoradas e os benefícios são inúmeros, dentre eles:

  • o aumento do envolvimento dos colaboradores;
  • a retenção dos funcionários;
  • a melhoria na comunicação interna; 
  • e a eficácia pessoal e da equipe.

Todos esses fatores melhoram o desenvolvimento das equipes, e criam excelentes líderes.

2. Adote a transparência

Quando os líderes de sua empresa demonstram transparência, eles disseminam o senso de igualdade na dinâmica de trabalho. 

Além disso, os funcionários que desconhecem os valores, visão ou objetivos de sua organização se sentem desconectados da ambição coletiva do negócio e prejudicam a produtividade e a motivação do mesmo.

Vale lembrar que dentre os níveis da cultura organizacional, os valores de uma empresa são a base de sua cultura. Viver de acordo com isso significa integrá-los em todos os aspectos do seu negócio.

3. Foco na aprendizagem e desenvolvimento

As grandes culturas organizacionais são formadas por funcionários que aprendem continuamente, e isso requer que as empresas invistam continuamente em treinamentos, de modo a desenvolver o máximo potencial de suas equipes.

Leia também: “Treinamento de atendimento ao cliente: 8 etapas para preparar sua equipe”.

4. Personalize a experiência do funcionário

Assim como os consumidores modernos, seus funcionários esperam experiências personalizadas, por isso, é fundamental que as empresas ofereçam maneiras de ajudar cada membro da equipe a se identificar com sua cultura, oferecendo recursos que auxiliem seu dia a dia

Pensando nisso, é fundamental que os negócios adotem o uso de ferramentas eficientes, que tornem os processos de trabalho mais ágeis, e ampliem a cobertura do suporte de suas empresas.Um exemplo de plataforma de fácil utilização e que dará assistência para equipes que trabalham com atendimento ao consumidor é o Zendesk para atendimento ao cliente, uma ferramenta de suporte que garantirá mais qualidade em seu relacionamento, e também fortalecerá sua cultura organizacional.