Ir para o conteúdo principal

Artigo 5 min read

Gestão do amanhã: 8 aprendizados para ser mais competitivo

Por Zendesk

Última atualização em 16 Mai 2023

“Só mesmo nutrindo o desejo por expandir continuamente o repertório de conhecimento é possível pensar sobre as possibilidades e perspectivas não-mapeadas para o negócio”. 

A frase, que nos instiga a remodelar o mindset corporativo, faz parte da obra Gestão do Amanhã. O livro propõe uma reflexão sobre o mundo dos negócios em um contexto local e global pautado por transformações e adaptações contínuas.

Como você e sua empresa se preparam para o futuro? Acompanhe nossa discussão sobre o tema nas próximas linhas deste artigo.

O que é gestão do amanhã? 

A gestão do amanhã propõe uma reflexão sobre os desafios da gestão em um mundo definido pelo ineditismo e pela disrupção. A ideia é que, com o conceito, os empreendedores revejam seus pilares e abram a mente para a possibilidade de crescer e inovar diante da incerteza. 

Por meio da gestão do amanhã, gestores e lideranças são convidados a compreender o contexto — no qual coabitam o novo (representado pelas novas tecnologias e pela transformação digital) e o tradicional, visto em empresas e negócios solidificados há anos no mercado. 

Gestão do Amanhã, 4ª Revolução Industrial e sua empresa: como se relacionam?

A proposta de gestão do amanhã nomeia o cenário de convergência entre o novo e o clássico como 4ª Revolução Industrial, A ideia é que o movimento global estimule o uso de descobertas transformadoras como motores para integração dos mundos físico, digital e biológico. 

E como fica a sua empresa em meio a um processo como este? 

Como você deve imaginar, uma empresa que quer se situar em meio à ideia de gestão do amanhã precisa mudar seus paradigmas. Deixar de lado processos organizacionais engessados e testados muitos anos atrás é um bom começo. Acolher novas tecnologias e implementar uma cultura de inovação, também. 

Parece desafiador? Pois é! A ideia é que, por meio de um pensamento voltado para a gestão do amanhã, as empresas abracem os obstáculos com um olhar mais amigável, compreendendo que, em muitos casos, eles representam oportunidades de revolucionar o mercado. 

Conheça a origem do termo: livro Gestão do Amanhã

O conceito inovador surge a partir da publicação do livro Gestão do Amanhã, pelo empresário Sandro Magaldi e o cofundador da HSM, José Salibi Neto. 

A obra surge a partir da inquietação dos autores com a ideia de transformação digital, com a consolidação de negócios em que a evolução tecnológica desponta como protagonista. 

Nesse sentido, os autores defendem a necessidade de reorganizar os pensamentos corporativos com a intenção de adequá-los aos desafios do novo contexto, e orientam as lideranças à adoção de 8 aprendizados que podem ajudar a conduzir negócios em meio a um mundo inconstante, mas em franca evolução. 

8 principais pilares da gestão do amanhã 

De acordo com os autores do livro Gestão do Amanhã, a liderança do futuro se caracteriza por um conjunto de 8 habilidades estratégicas. 

Mas mais do que seguir as orientações como guias absolutos, o que José Salibi Neto e Sandro Magaldi defendem é que os conceitos sejam incorporados naturalmente à mentalidade do gestor. 

Veja a seguir quais são os princípios norteadores do pensamento dos gestores do amanhã.

1- Pensamento corajoso

Os gestores do amanhã devem ter ousadia no pensamento e a capacidade de sonhar grande. Muito além de pensar grande, o sonhar possibilita traçar objetivos elevados e desenhar planos de ação que permitam alcançá-los. 

2- Propósito transformador

A ideia vem a partir do conceito de MTP, Propósito Transformador Massivo (ou Massive Transformative Purpose, em inglês). 

Com ele, a liderança consegue elaborar visões com real potencial de inspiração, que tocam tanto à mente (aspecto racional) quanto ao coração (aspecto emocional) de seus times. 

3- Capacidade de criar o futuro

Mais do que idealizar, o líder do futuro deve ser capaz de tornar a imagem palpável para suas equipes.

Na prática, isso significa:

  • pensar no longo prazo.
  • abordar um problema real;
  • propor soluções efetivas;
  • usar as tecnologias disponíveis no processo. 

4- Assumir riscos

Testes e experiências devem fazer parte de um pensamento focado na gestão do amanhã. 

Da mesma forma que os resultados são observados e analisados com agilidade, é importante desenvolver a capacidade de enxergar quando algo não tem potencial transformativo e descontinuar projetos sem apego excessivo. 

5- Pensamento customer centric

Manter o cliente no centro do negócio é fundamental para guiar o pensamento estratégico na gestão do futuro. Incluir a participação dos consumidores nos processos também pode ser valioso no desenvolvimento de soluções que atendam às demandas de forma direcionada. 

6 – Conexões valiosas

A gestão do amanhã se baseia no poder do networking como trampolim para a inovação. Por isso, o líder do futuro é capaz de construir times multidisciplinares, reunir especialistas distintos e observar as situações por um ponto de vista sistêmico e integrado. 

7- Boas perguntas

Para você, o que significa “fazer uma grande pergunta”? Para os pensadores da gestão do amanhã, uma boa pergunta é aquela que reúne, em sua elaboração, elementos como: 

  • ambição;
  • realismo;
  • capacidade provocadora; 
  • potencial de catalisação de mudanças. 

8- Expansão do conhecimento

A consciência de que sempre há algo novo para aprender faz parte da vida do líder do amanhã. Ele é capaz de sincronizar seus conhecimentos já adquiridos (sejam habilidades técnicas ou pessoais — as chamadas hard skills e soft skills) e informações novas de maneira continuada. 

Comece a gestão do amanhã HOJE! 

Agora você já conhece o conceito e os principais pilares da gestão do amanhã para as lideranças. Mas, afinal, por onde começar a aplicar os princípios? 

O primeiro passo é externalizar o conhecimento, estimulando a adoção de uma cultura organizacional pautada na curiosidade e na disposição para pensar diferente. 

Além disso, o desenvolvimento de práticas de gestão do amanhã passa pelo estabelecimento de dois marcos, chamados pelos autores do livro de motores: o primeiro é focado nos resultados de curto prazo e o segundo, focado em desenvolver pensamentos que refutem sua base atual. 

Parece controverso? Mas calma, vamos explicar. 

No primeiro momento, é preciso trabalhar valores como disciplina, atenção aos processos, análise de dados e avaliação de riscos. 

Já no segundo, são trabalhados valores “opostos”: flexibilidade, capacidade de aceitar os riscos e agilidade nas entregas. 

Entende como, quando analisadas sob perspectivas, as técnicas dos momentos 1 e 2 parecem se contradizer? 

E aí? Tudo pronto para começar a pensar como uma liderança do futuro? Aproveite o fim desta leitura para ler nosso relatório 2023 sobre Tendências em Experiência do Cliente, com valiosos insights para estimular seu pensamento inovador!

Histórias relacionadas

Artigo
9 min read

Sistemas de IA para experiências do usuário: urgências e tendências

Entenda como os sistemas de IA para experiências do usuário podem ser utilizados para otimizar o trabalho dos agentes e trazer mais satisfação aos clientes.

Artigo
6 min read

Dados em tempo real: como melhoram a experiência do cliente?

O uso de dados em tempo real vem ganhando força entre os líderes de CX e as empresas. Aprenda a implementar esse recurso em seu negócio!

Artigo
7 min read

Tendências emergentes no CX Inteligente: uma visão geral

Descubra quais as principais tendências de CX Inteligente e como os líderes de CX estão encarando essas tecnologias emergentes.

Artigo
8 min read

IA para call center: benefícios, desafios e tendências

Entenda como usar IA em call center pode trazer benefícios para empresas, transformar a rotina de trabalho dos agentes e melhorar a experiência do cliente.