Artigo

O que é turnover nas empresas: causas, tipos e como diminuir

Por Douglas da Silva, Web Content & SEO Associate, LATAM

Publicado 9 Fevereiro 2021
Última atualização em 9 Fevereiro 2021

Muito se fala sobre o termo, mas afinal, o que é turnover nas empresas? O turnover é o nome dado à rotatividade de funcionários. Já a taxa de turnover é a medida, em porcentagem, da relação entre colaboradores admitidos, desligados e o número de funcionários que fazem parte da empresa. 

As empresas do Brasil têm a maior taxa de turnover do mundo, chegando a 82%. A média global, neste mesmo período, é de 38%. Mais longe ainda as empresas estão de alcançar o indicado pelos especialistas como ideal: uma taxa de 5%

Mas afinal, porque acompanhar a taxa de rotatividade é um indicador estratégico para as empresas? 

Neste artigo, vamos responder a essa pergunta e ainda solucionar algumas dúvidas comuns, como: 

  • O que é turnover nas empresas,
  • Tipos de turnover,
  • Como calcular a taxa de rotatividade,
  • Principais causas do turnover, 
  • Como diminuir o turnover.

Acompanhe a seguir nosso guia sobre o turnover nas empresas e aprenda como esse indicador pode impactar nos resultados financeiro 

O que é turnover nas empresas?

No RH o turnover é sinônimo de rotatividade de colaboradores de uma empresa, sendo assim um índice de entradas e saídas de funcionários de uma empresa em um determinado período de tempo. 

Em suma, o turnover é o movimento de contratação, permanência e saída de um colaborador de uma empresa, independente das razões para a contratação, demissão ou permanência. 

Os motivos que levaram a esse movimento, ou seja, que levaram ao turnover, ajudam na compreensão de quais são os diferentes tipos de turnover, sobre os quais também falaremos ainda neste artigo.  

A taxa de rotatividade, ou taxa de turnover, é um importante indicador do RH que ajuda a empresa a avaliar a situação dela em uma série de pontos importantes para a gestão do negócio, entre eles:

  • A qualidade do processo de recrutamento e seleção da empresa, 
  • Avalia a qualidade do ambiente de trabalho
  • Analisa a liderança dos setores
  • Pondera a efetividades dos salários e benefícios da empresa, 
  • Considera o nível de engajamento dos funcionários, e mais. 

Tudo isso porque uma alta taxa de turnover pode indicar problemas em todas essas áreas.

Tipos de turnover

Como falamos anteriormente, existem diferentes tipos de turnover:

  • O voluntário, 
  • O involuntário, 
  • Funcional, 
  • Disfuncional. 

Turnover voluntário

Esse é o tipo de turnover que representa os pedidos de demissão feitos pelos funcionários. 

Colaboradores que pedem para se desligar da empresa estão contribuindo para as taxas de turnover voluntário. 

Altas taxas de turnover voluntário podem indicar: 

  • Problemas de salários abaixo do mercado, 
  • Problemas com a liderança da empresa, 
  • Falta de reconhecimentos, 
  • Falta de um plano de carreira, 
  • Clima organizacional de baixa qualidade, 
  • Estresse, e mais. 

Fato é que o salário baixo e novas propostas de trabalho são apenas parte do problema. De fato, 8 em cada 10 profissionais pedem demissão por causa do chefe

Dessa forma, se você tem um setor que apresenta alta taxa de turnover, pode estar com um problema na liderança do setor. 

Turnover involuntário

No turnover involuntário é a empresa que demite o funcionário e pede seu afastamento. 

Assim como o turnover voluntário, esse cenário pode mostrar problemas na empresa como:

  • Dificuldades financeiras para manter a equipe, 
  • Erros no processo de contratação e recrutamento, 
  • Baixa performance da equipe, 
  • Conflitos internos, e mais. 

O turnover involuntário, entretanto, tem mais um agravante para a empresa: custos trabalhistas. 

Esses custos são bastante altos e podem fazer um “rombo” financeiro no caixa da organização. 

Essa é uma das razões para sua empresa evitar o turnover involuntário, prevenindo os problemas que podem o causar.

Turnover funcional 

Ele acontece quando um funcionário que está com baixos índices de performance e que sua demissão já está sendo considerada, pede para deixar a empresa.

Nesses casos, a empresa sai ganhando porque evita muitos dos custos de uma demissão involuntária. 

Entretanto, ainda não há muito o que comemorar, uma vez que junto com o funcionário vai o tempo que foi gasto com seu treinamento, o tempo em que a produtividade esteve abaixo do ideal e outros investimentos desperdiçados.

Além disso, o desligamento de um colaborador, geralmente, tem como consequência a necessidade de colocar outro profissional no lugar, o que acarreta em mais investimento necessário. 

Turnover disfuncional 

Aqui, o pior dos cenários: um profissional de alta qualidade e excelentes resultados, pede pra sair da empresa. 

Nesses casos, é importante entender porque a empresa não foi capaz de reter esse talento.

As consequências imediatas são queda na produtividade (porque não é fácil substituir em pouco tempo um profissional desse nível) e preocupações sobre a reputação da empresa. Afinal, será que sua companhia não é um bom lugar para trabalhar? 

Leia também: Como aumentar a produtividade dos agentes para melhorar a experiência do cliente

Como calcular a taxa de rotatividade? 

Entendido o que é turnover nas empresas e quais os seus tipos, é hora de colocar em prática o cálculo desse indicador. 

Na fórmula entram os seguintes dados: 

  • Quantidade de colaboradores admitidos,
  • Número de funcionários demitidos
  • Total de colaboradores que trabalham na empresa.

Com esses dados em mãos, some o número de colaboradores que entraram no período com o número de profissionais que saíram da empresa. Divida por dois e divida novamente pelo total de funcionários da empresa. 

Por exemplo, se nos últimos 6 meses, sua empresa admitiu 10 colaboradores, demitiu 8 funcionários e, tem no total, 70 profissionais, o cálculo é:

10 + 8 / 2 = 9

9/ 70 = 0,08

0.12 x 100 = 12%

Ou seja, sua taxa de rotatividade é de 12%. 

Principais causas do turnover 

Como dissemos acima, a principal causa de turnover voluntário é uma liderança ruim

É claro que pode haver problemas pontuais entre um colaborador e seu líder. Entretanto, ao observar que existe uma tendência de altas taxas de turnover em determinado setor, pode ser interessante conversar com os profissionais que fazem parte dessa área e entender se há algum problema mais coletivo. 

Entretanto, a liderança não é a única razão para altas taxas de rotatividade. Por isso, a seguir listamos outras causas de turnover. Vale a pena ficar atento a cada uma delas. 

Clima organizacional de baixa qualidade

Todo mundo sabe como é bom ir trabalhar em um ambiente corporativo calmo, em que as pessoas que convivem diariamente são realmente colegas e criam um clima organizacional de alta qualidade.

O contrário também é verdade. Trabalhar em um ambiente tóxico, como competitividade fora dos limites, profissionais que agem de maneira desleal ou “pesam” o clima da empresa, pode ser um dos fatores tanto para a queda de produtividade pessoal dos profissionais, como para o aumento das taxas de turnover. 

Falta de alinhamento de expectativas

Toda empresa deve deixar claro aos seus colaboradores o que esperam deles, quais as tarefas que devem executar e quais resultados precisam apresentar para a organização. 

A falta de alinhamento de expectativas pode gerar problemas desde a etapa da contratação.

Esse é um problema que pode gerar frustração no colaborador que recebe cobranças que não entende ou concorda. Ou ainda que é cobrado por algo que não tem domínio. Tudo isso gera desmotivação que pode levar ao turnover voluntário ou involuntário.

Falta de reconhecimento

Uma pesquisa da Gallup mostrou que 65% dos colaboradores que deixaram suas empresas o fizeram por falta de reconhecimento.

Por isso, crie políticas de feedback que mantenham os profissionais informados sobre seus resultados e que prestigiem os colaboradores que se destacam em suas funções.

Todo mundo gosta de saber que faz um bom trabalho e que é reconhecido por isso. Isso amplia a motivação e o engajamento com a empresa, contribuindo para a permanência de bons profissionais da empresa. 

Falta de um plano de carreira

Um plano de carreira mostra para seu colaborador que ele tem um futuro a ser conquistado dentro da empresa

Além de motivá-lo a alcançar melhores resultados, um plano de carreira mantém seu colaborador focado e comprometido com a organização.

Porque ele iria para outra empresa fazer o que faz na sua, se com você ele está mais próximo de alcançar uma promoção, um objetivo maior? 

Agora, se o profissional acredita que não tem mais para onde ir dentro da sua empresa, qualquer proposta externa pode ser considerada e até a busca ativa por uma outra vaga por um outro desafio vai estimulá-lo a deixar a sua organização. 

Estresse e sobrecarga

Mesmo que a sua empresa pague pelas horas extras (o que é obrigação dela fazer), tem momentos em que tudo o que o seu funcionário precisa é descansar!

O estresse pode fazer a sua empresa perder importantes profissionais, que são comprometidos, “vestem a camisa”, mas estão cansados e precisam relaxar. 

Por isso, busque equilibrar momentos de cobrança com momentos de descontração. Ofereça benefícios como um dia no SPA e um final de semana prolongado para equipes que trabalham muitas horas. 

Como diminuir o turnover? 

Como você pode imaginar, entre as principais estratégias de como diminuir o turnover estão o combate às principais causas do turnover, que listamos acima. 

A seguir, fizemos uma seleção com cinco estratégias para diminuir o turnover e ter melhores resultados de retenção de talentos na sua empresa, bem como reduzir também o turnover involuntário. Confira!

1. Otimize o processo de contratação e seleção

Um processo de contratação deve considerar não apenas o alinhamento técnico e o tipo de profissional que ela precisa para executar determinada função. 

É fundamental também estar atento, durante o processo de seleção, às habilidades pessoais (como empatia, capacidade de comunicação e inteligência emocional), bem como o alinhamento do profissional à cultura organizacional

Para isso defina, antes do processo, qual o perfil de colaborador que é desejado, tanto em relação às habilidades profissionais e técnicas como às habilidades comportamentais (soft skills). 

Considere também seu perfil, valores e alinhamento com todas essas características da sua empresa. 

No processo seletivo, lembre-se de ser claro sobre as funções do colaborador e o que a empresa espera dele. 

O alinhamento das expectativas já começa nessa fase. 

2. Capacite as lideranças da empresa

Nem sempre um bom funcionário vai se tornar um bom líder, e em muitos casos, a promoção de colaboradores com bom desempenho os colocam nessa posição.

Por isso, para garantir a qualidade também da liderança, é necessário criar uma política de treinamento e atualização dos profissionais que vão chefiar as equipes. 

Eles também devem estar alinhados às políticas e valores da empresa, bem como seguir um manual de boas práticas que motive, engaje e contribua para o desenvolvimento dos funcionários (e não atrapalhe). 

Leia também: Liderança democrática: guia completo para gerir equipes com igualdade e flexibilidade

Peça também o feedback dos colaboradores sobre seus líderes e busque identificar potenciais problemas antes que eles se concretizem. 

3. Atenção aos salários e benefícios oferecidos

Garantir que o salário que a sua empresa oferece aos colaboradores seja compatível com o restante do mercado é fundamental para ter mais chances de reter talentos

Além disso, uma empresa com poucos benefícios e com baixos salários pode criar uma má fama no mercado. 

4. Crie uma política de feedback contínuo

O feedback é uma forma de apresentar pontos de melhoria, pontos fortes, reconhecer conquistas e resultados, bem como de ouvir seus colaboradores. 

Não estamos falando de uma reunião para elogios contínuos nem para “puxões de orelha”. A reunião de feedback deve ser pautada em dados, resultados e exemplos de comportamentos. 

O objetivo do líder deve ser contribuir para a melhoria constante do profissional, reconhecer seus feitos e contribuir para a resolução de pontos de melhoria encontrados. 

Por meio do processo de feedback o colaborador entende o que a empresa observa nele, alinha expectativas e tem a oportunidade de compartilhar sua ideias, demandas e insatisfações. 

5. Contribua para a integração da equipe

Muitas vezes passamos mais tempo com nossos colegas de trabalho do que com a nossa família. 

Um ambiente de trabalho de qualidade passa pela qualidade de relacionamento entre os profissionais da mesma equipe e de equipes que se relacionam. Um clima organizacional amistoso torna o trabalho muito mais prazeroso, motivador e amplia o engajamento dos colaboradores com a empresa. 

Por isso, junte-se ao RH e crie políticas de integração entre funcionários, abra espaços para que possam se conhecer e se relacionar além das cobranças do dia a dia da organização. 

Leia também: Alta performance em vendas: 7 dicas de como aprimorar seu time e alcançar melhores resultados

6. Otimize o trabalho da equipe com as ferramentas certas

Estresse, sobrecarga e queda na produtividade podem ser resultado de desatualização de ferramentas e podem ser resolvidos com a adoção de sistemas que oferecem mais agilidade para a equipe. 

A tecnologia permite que os profissionais realizem mais em menos tempo e garantem a execução de uma série de ações que antes seriam improváveis, sem seu uso. 

Nesse sentido, indicamos que você conheça a Zendesk, ideal para otimizar o trabalho do setor de vendas e atendimento, seja na prospecção ou no suporte ao cliente

Oferecemos mais do que um CRM de vendas para melhorar a produtividade da equipe, os processos e a visibilidade do pipeline para as equipes de vendas.

Com o Zendesk Sell, sua empresa tem acesso a uma plataforma completa e uma solução de vendas moderna para melhorar suas negociações. 

Conheça mais sobre nossa solução, no vídeo abaixo: