Artigo

Quais são os tipos de inteligência artificial

Por Douglas da Silva, Web Content & SEO Associate, LATAM

Publicado 14 Outubro 2020
Última atualização em 14 Outubro 2020

Inúmeros mercados estão se transformando por meio de tecnologias emergentes, dentre elas os diferentes tipos de inteligência artificial. O modo como clientes se relacionam com empresas mudou e, com isso, novas demandas surgiram. 

Nesse sentido, segundo o relatório “5 principais tecnologias emergentes e seu impacto na experiência do cliente”, do Gartner, estima-se que até 2022 cerca de 70% das interações dos clientes tenham o envolvimento de tecnologias emergentes, como aplicativos que operam com machine learning e chats com inteligência artificial

Além disso, esse mesmo relatório mostra que 26% dos CIOs apostam em chatbots como o principal aplicativo baseado em IA usado em suas empresas. Considerando que o objetivo da inteligência artificial é desenvolver máquinas com cada vez mais habilidades para agirem como os humanos, a tendência é que o atendimento seja cada vez mais orientado para a automatização. 

Mas, antes, vamos entender quais são as classificações das IAs e quais as principais diferenças entre elas. 

Tipos de inteligência artificial 

Inteligência Artificial Limita (ANI)

Também conhecida como “IA fraca”, essas são inteligências desenvolvidas para um único objetivo. Elas armazenam uma grande quantidade de dados e realizam tarefas complexas, porém sempre focadas no objetivo para o qual foram programadas. Esse tipo de inteligência artificial também consegue realizar cálculos complexos com muita rapidez, porém não irá além disso.

Dentro dessa classificação, há ainda duas subcategorias:

  • Máquinas reativas: foram o primeiro tipo de inteligência artificial, então seus recursos são mais limitados. Elas não armazenam muitos dados e reagem a apenas alguns estímulos de acordo com a maneira como foram configuradas. 

  • Memória limitada: é um avanço em relação às máquinas reativas, já que neste caso armazenam mais informações e usam elas para tomar decisões. É o caso das recomendações feitas em serviços de streaming, por exemplo. Com base nas escolhas anteriores do usuário, a IA armazena esses dados e passa a oferecer conteúdos similares para quem está assistindo. 

Inteligência artificial geral (AGI)

Essa IA é conhecida como “IA forte” ou “nível humano” por ser capaz de executar tarefas similares às realizadas pelos seres humanos. Esse tipo de inteligência artificial consegue aprender por meio de técnicas de machine learning, por exemplo, além de compreender e reagir a estímulos específicos. 

Além disso, esse modelo pode ser aplicado a tarefas que não são executadas pela ANI, porém, ainda não está no nível da inteligência humana, apesar de estar bem próxima.

Nesta categoria há duas subdivisões:

  • Máquinas cientes: além de enxergarem o mundo, essas inteligências também são capazes de compreender os estímulos que recebem para assim processar as informações. 

  • Máquinas autoconscientes: esse tipo de inteligência artificial têm consciência do mundo e também de si própria, o que facilita a compreensão dos estímulos externos. Quando achamos algo engraçado nós damos risada, então, quando vemos alguém rindo, pressupomos que alguma coisa engraçada aconteceu porque temos autoconsciência. Essa IA funciona da mesma maneira. 

Superinteligência (ASI)

Dentre esses exemplos de tipos de inteligência artificial, a superinteligência é a única que é apenas uma suposição para o futuro e ainda está sendo estudada. Porém, especula-se que ela será superior à inteligência humana, sendo capaz de tomar decisões e também armazenar dados

Além disso, pressupõe-se que a superinteligência será muito mais abrangente, podendo estar presente em um computador apenas um pouco superior à mente humana até ser muito mais inteligente e poder executar tarefas impossíveis aos humanos. 

Por isso, hoje os debates científicos focam nesta IA, em especial, pois ela poderá revolucionar a forma como vemos e entendemos o mundo. 

Como a inteligência artificial é usada pelas empresas

Google

A Google investe em inteligência artificial para otimizar uma série de produtos, além do Google Assistente, assistente pessoal virtual da empresa. Ao buscar por uma imagem na galeria de fotos ou também ao responder a um e-mail no Gmail com uma resposta automática, você estará usando IA para completar sua tarefa, para citar alguns exemplos. 

Amazon

A Alexa, assistente de voz da Amazon, é o dispositivo mais conhecido da empresa por usar inteligência artificial para executar suas tarefas. Porém, a IA também é utilizada para inúmeros estudos sobre comportamento dos consumidores para prever suas tendências de compra e, assim, antecipar-se a elas. 

Apple

Assim como a Amazon, a Apple também tem sua própria assistente pessoal que opera por meio de inteligência artificial, a Siri. Além disso, a empresa também conta com IA na tecnologia de Face ID, assim como recomenda músicas no Apple Music com base nas escolhas anteriores e auxilia os usuários a encontrarem fotos no iCloud. 

IBM

A IBM foi uma das primeiras empresas a adotar a inteligência artificial em seus produtos. O computador Deep Blue, por exemplo, foi o primeiro a derrotar um humano em uma partida de xadrez por meio da IA.

Recentemente, foi lançado o Project Debater, no qual um dispositivo de computação cognitiva “debateu” com dois humanos profissionais no assunto e foi capaz de criar argumentos similares aos utilizados em debates entre pessoas. 

Inteligência artificial para atendimentos

Além dos casos mostrados anteriormente, diferentes tipos de inteligência artificial também podem ser usados para otimizar o atendimento das empresas. O consumidor 3.0 almeja por experiências satisfatórias com as empresas e, para que isso ocorra, é fundamental que suas questões sejam resolvidas com rapidez. Por isso, uma solução é lançar mão da IA. 

Os benefícios da inteligência artificial são inúmeros e, dentre eles, está a possibilidade de inovação para otimizar o atendimento ao cliente ao fornecer informações em tempo real e criar uma customer experience precisa, contextualizadas e personalizada.

Ao entender onde aplicar a inteligência artificial, torna-se ainda mais fácil elaborar estratégias para aprimorar o atendimento realizado pela sua empresa. Nesse sentido, a Zendesk Support Suite surge como uma ferramenta para o seu negócio. Com essa solução é possível centralizar todo o atendimento realizado com seus clientes, proporcionando assim uma experiência de excelência.

 Preparado para investir em inteligência artificial e não ficar para trás?